Friday, October 22, 2021

Guiné-Bissau e Brasil assinam acordos de cooperação em vários domínios

A Guiné-Bissau e a Agência Brasileira de Cooperação (ABC) rubricaram, recentemente, vários acordos de cooperação nos domínios da Saúde, Educação e Formação Profissional, Agro-indústria, Justiça, Diplomacia e Formação das Forças de Defesa e Segurança

Segundo o comuncado que o Notícias de Angola teve acesso hoje, os acordos foram assinados pela ministra de Estado, dos Negócios Estrangeiros, Cooperação Internacional e das Comunidades guineense, Suzi Barbosa, durante a recente visita do Chefe de Estado da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, ao Brasil.

Na sua página oficial de Facebook, Suzi Barbosa enalteceu os protocolos, considerando “mais um passo” na concretização da missão de “afirmar o potencial da Guiné-Bissau”.

Entre as principais linhas de trabalho do acordo na área da Saúde está a doação de oito máquinas de hemodiálise a Guiné-Bissau, o reforço dos projectos de combate aos HIV/AIDS e apoio a especialização dos médicos guineenses.

Na área da educação e formação profissional, prevê-se, entre outras acções, a participação de profissionais guineenses no Curso Internacional de Capacitação de Gestores de Unidades de Formação Profissional dos PALOP.

No sector da justiça, o pacto aposta na capacitação dos magistrados do Ministério Público.
Na agro-indústria, o acordo estabelece a reestruturação do Centro de Processamento do Caju e a capacitação de agentes guineenses na indústria de transformação de produtos e na gestão e monitoramento de recursos hídricos.

Na esfera diplomática, devido ao contexto pandémico, o Instituto Rio Branco – que já formou 20 diplomatas guineenses – vai implementar a Academia Diplomática da Guiné Bissau online, promovendo cursos de curta duração, à distância, online, a diplomatas guineenses.

No domínio da Defesa e da Segurança, a cooperação abrange a profissionalização e fortalecimento das instituições militares guineenses, contribuindo assim para reforçar a estabilidade governativa e, consequentemente, para o desenvolvimento socioeconómico do país.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *