Monday, May 16, 2022

JOAO LOURENCO, EM REUNIÃO ANTES DA ELEIÇÃO PRESIDENTE DA REPÚBLICA

O presidente angolano felicitou o seu homólogo francês pela sua reeleição, dando continuidade à política de reaproximação entre França e Angola que marcou a sua presidência

As relações franco-angolanas são antigas. Às vezes até eram apimentados por certos casos e pela decepção do campo angolano diante das reações francesas. Mas hoje, a página está decididamente virada. É o que diz o Presidente João Lourenço na mensagem que acaba de enviar a Emmanuel Macron para o felicitar pela sua reeleição. O Presidente angolano disse estar convicto de que a vitória de Emmanuel Macron nestas últimas eleições reflecte “a vontade e a firme determinação do povo francês em manter a República Francesa como um eixo importante na construção de uma Europa unida e unida, capaz de assegurar, sobretudo nestes tempos difíceis, a estabilidade e segurança necessárias para a consolidação do processo de desenvolvimento do continente europeu […] perspectivas de cooperação bilateral, com resultados favoráveis ​​ao progresso e prosperidade de nossos povos”.

Angola está em terceiro lugar em investimentos franceses no continente

Emmanuel Macron recebeu o seu homólogo em 2018, durante uma visita de Estado de três dias que levou o ex-ministro da Defesa, que se tornou presidente, ao Palácio do Eliseu, mas também a Toulouse para uma visita aos principais industriais. Francês chefiado pelo MEDEF. A organização patronal também organizou um grande coquetel no Cercle Interallié para que os líderes econômicos dos dois países tivessem a oportunidade de se encontrar. No final desta visita, foram assinados vários acordos bilaterais no domínio da segurança e nos sectores petrolífero e agrícola.

Angola está em terceiro lugar em investimentos franceses no continente, logo atrás de Marrocos e Nigéria. A França é também o segundo maior investidor estrangeiro atrás dos Estados Unidos, graças aos investimentos da Total EP Angola, principal operador petrolífero do país com cerca de 45% da produção nacional. Em vinte anos, o grupo francês investiu mais de 30 bilhões de dólares na economia local. Além disso, existem 50 subsidiárias de empresas francesas e 30 empresas angolanas criadas localmente por empresários franceses. Actualmente empregam cerca de 10.000 pessoas, apenas atrás dos seus concorrentes portugueses e chineses.

O Presidente Lourenço está encantado com estas perspetivas e com o lugar do seu país como segundo maior produtor de petróleo do continente negro, e sabe também planear o futuro. Não há dúvida de depender apenas de combustíveis fósseis.

O país português é uma verdadeira terra de oportunidades para as empresas francesas, sobretudo porque a língua portuguesa não está entre as mais difíceis de aprender para os franceses e os angolanos são primos dos congoleses, o que lhes oferece um recurso francófono não reconhecido.

E esta é uma boa notícia para os nossos investidores, especialmente porque o país lusitano é a segunda maior economia da África Austral. Desde o fim da guerra civil, o país tem sido amplamente pacífico e seu PIB multiplicou por 10 desde 2012. A riqueza do petróleo torna as pessoas mais hesitantes em falar de um Dubai da África, com um mercado que deve dobrar de tamanho até 2045.

O Presidente Lourenço, ex-ministro da Defesa, ao mesmo tempo que se encanta com estas perspectivas e com o lugar do seu país como segundo maior produtor de petróleo do continente negro, também sabe planear o futuro. Não tem como ele depender apenas de combustíveis fósseis.

Assim, Angola lançou um vasto Plano Nacional de Desenvolvimento (PND) para o período 2018-2022. Este programa inclui cerca de 400 projetos estruturantes em setores prioritários, com um orçamento de 46 mil milhões de euros. Mais um motivo para se alegrar com a boa relação entre Paris e Luanda.

Leave a Reply

Your email address will not be published.