Obras no troço entre Malanje e Leste do país estão a bom ritmo

As obras de melhoria dos dois lotes da Estrada Nacional 230, que ligam Malanje a Caculama e desta última região ao Leste do país, decorrem a bom ritmo, apesar do atraso de pagamentos neste período, considerou o ministro das Obras Públicas e Ordenamento do Território.

Manuel Tavares de Almeida, que radiografou, terça-feira, os referidos lotes, assegurou que se os pagamentos fossem feitos em tempo normal, a obra estaria concluída daqui a um ou dois meses, prazo que tinha sido negociado.

Com a confirmação pelos empreiteiros dos pagamentos recentes, o ministro mostrou-se animado com os trabalhos, na perspectiva de que vão ser recuperados os prazos. “O que estamos a ver aqui é uma obra de alta qualidade, com uma plataforma extensa, que vai garantir melhor segurança e comodidade aos utentes desta via, muito utilizada e importante para a nossa economia”.

Manuel Tavares de Almeida referiu que existe uma camada de betão betuminoso, composto de duas camadas de cinco centímetros, perfazendo dez centímetros, o que vai dar uma maior resistência e durabilidade aos troços de estrada.

O ministro enalteceu o tipo de tecnologia utilizada nos trabalhos, que segundo disse, vai permitir acelerar o ritmo dos trabalhos e dar maior qualidade à base da estrutura do pavimento.

Manuel Tavares realçou que, a partir de agora, vão solicitar aos empreteiros para apresentar uma reprogramação do cronograma e que seja mais antecipado para ter o troço já à disposição dos utentes.

Sobre a manutenção das estradas já feitas, à luz do Programa de Salvação de Estradas, o ministro confirmou que a mesma está a decorrer, numa altura em que se tenta injectar alguns pagamentos, para que se acelerem os trabalhos.

“Alguns troços não atacados no devido momento acabaram por se degradar muito mais do que já estavam, como é o caso da via Cetete/Maria Teresa/Ndalatando”, citou Manuel Tavares de Almeida.

Via Maria Teresa/Ndalatando

Na segunda-feira, o ministro das Obras Públicas e Ordenamento do Território tinha estado no Cuanza-Norte, onde tinha reconhecido a necessidade de se reabilitar urgentemente os cerca de 100 quilómetros entre Maria Teresa e Ndalatando, passando pelo desvio da Trombeta, na Estrada Nacional 230.

A necessidade de intervenção surge do facto de o troço se apresentar num estado bastante avançado de degradação, o que impossibilita a rápida circulação dos veículos.

Manuel Tavares de Almeida realçou que esta principal via, que liga Luanda, Cuanza-Norte e o Leste do país está inscrita no Plano Nacional de Salvação de Estradas, que visa obras de conservação e manutenção, que atrasaram na sua implementação no momento certo, por falta de recursos financeiros.

O governante acrescentou que o Ministério das Obras Públicas e Ordenamento do Território já reviu a recontratação desse troço com algumas empresas e aguarda pelos pagamentos para o reinício dos trabalhos, ainda este ano.

Manuel Tavares de Almeida salientou que, no Plano de Salvação de Estradas, constam dois tipos de intervenções, sendo a primeira relacionada com uma de reabilitação total, ou seja, levantamento da camada de desgaste, preparação da base e lançamento de novo asfalto, enquanto a segunda inscreve a manutenção e conservação.

Leave a comment

Your email address will not be published.