PR incentiva expansão da indústria de lapidação

O Presidente da República incentivou, ontem, na cidade de Saurimo, Lunda-Sul, a expansão da indústria de lapidação de diamantes pelo país, sobretudo nas regiões produtoras deste minério, caso das províncias do Leste.

Em declarações à imprensa, após inaugurar o Pólo de Desenvolvimento Diamantífero de Saurimo, o Chefe de Estado argumentou que a intenção é ter maior rendimento do negócio do diamante e garantir postos de trabalho à juventude.

João Lourenço lembrou, a propósito, que cerca de 70 por cento de jovens que vão ter emprego naquele empreendimento económico são da província da Lunda-Sul, salientando que o valor global do “projecto evolutivo” está orçado em 77 milhões de dólares, referindo o facto de ter sido construído em menos de dois anos, numa área de mais de 300 mil metros quadrados. 

Aos demais investidores interessados em montar fábricas de lapidação de diamantes no Pólo de Desenvolvimento Diamantífero de Saurimo, o Presidente da República aconselhou-os a adquirir os lotes disponíveis para o efeito. O Pólo de Desenvolvimento Diamantífero de Saurimo, garantiu, terá muito mais fábricas, do que as três inauguradas. 

“A intenção é replicar este centro noutros pontos do país e não ficarmos apenas pela cidade de Saurimo”, referiu o Presidente, salientando ser ambição do Executivo a industrialização do país.
O Chefe de Estado expressou “grande satisfação” após inaugurar o Pólo de Desenvolvimento Diamantífero de Saurimo, que tem como objetivo congregar empresas relacionadas à economia mineradora, com foco na cadeia de valor dos diamantes.

Recomendou, por isso, valor acrescentado às matérias-primas nacionais, exortando que “a venda em bruto dos diamantes não é tão rentável quanto a exportação deste produto com valor acrescentado”.

Sublinhou que o sector dos Recursos Minerais e Petróleo já segue esta ambição. Referiu, como exemplo, o crude, produto, com o qual o Executivo começou a dar “passos importantes”, com a produção de refinados.

Referiu-se, a propósito, ao surgimento de novas refinarias na província de Cabinda e na vila do Soyo, bem como dos esforços do Executivo para aumentar a capacidade de refinados na fábrica de Luanda e a conclusão das obras da refinaria do Lobito, na província de Benguela.
Eletrificação do Leste
O Chefe de Estado garantiu que com a conclusão do Aproveitamento Hidroeléctrico de Luachimo, na Lunda-Norte, no próximo ano, e com a concretização da interligação dos sistemas eléctricos do Norte ao do Leste, a província da Lunda-Sul estará “beneficiada deste bem social”.

“Estamos a trabalhar para interligar os vários sistemas elétricos do país, com o objectivo de trazer energia eléctrica das fontes de produção para os pontos que são essencialmente de consumo, desprovidas de capacidade para gerar energia eléctrica em quantidade suficiente”, declarou o Chefe de Estado.

Recordou que igual esforço está a ser feito no sector da Educação, para trazer o ensino superior de qualidade a todos os “cantos” do país. “À medida que formos conseguindo recursos financeiros vamos cumprir este desejo”, garantiu o Presidente da República, que defendeu “uma Angola desenvolvida e sem discriminação”. 

“O Executivo não tem filhos, nem enteados. Só tem filhos. Tem de os tratar a todos por igual. Ninguém deve sentir-se excluído porque, efetivamente, não existe a intenção de discriminar nenhum povo e região do país”, afirmou.


Breve discrição do empreendimento

O Pólo de Desenvolvimento Diamantífero de Saurimo, construído numa área de mais de 300 mil metros quadrado, é constituído por três áreas principais, nomeadamente, comercial, industrial e da central híbrida, que produz 5 Megawatts de energia para alimentar o projecto.

Na área comercial, de acesso público, foram edificadas lojas, restaurantes, praça da alimentação, bancos, repartições fiscais, escritórios, centros de convenções, escolas técnico-profissionais, posto médico e edifício para acomodação. 

Já a área industrial, de acesso controlado, com segurança reforçada, comporta 26 lotes de diferentes dimensões destinados a implantação de centros de formação, fábricas de lapidação e indústrias do ramo da mineração. 

A construção do Pólo responde aos esforços para o fomento da lapidação de diamantes brutos extraídos no país, a sua comercialização no mercado interno e externo pelo Executivo, bem como promover a formação de quadros nacionais e a criação de emprego num curto espaço de tempo.

O empreendimento económico criado por Despacho Presidencial, de 25 de Março de 2019, inicia a actividade com as fábricas de lapidação, ontem inauguradas pelo Chefe de Estado, para permitir o aumento em mais de 50 por cento da capacidade actual de processamento de diamantes no país.

Leave a comment

Your email address will not be published.