VII Congresso da OMA inicia hoje para a eleição da nova secretária-geral

A Organização da Mulher Angolana (OMA) inicia, hoje, em Luanda, o VII Congresso Ordinário, para eleger a nova secretária-geral. Joana Tomás, candidata única, vai substituir Luzia Inglês Van-Dúnem “Inga”, que esteve à frente da organização cerca de 22 anos.

unanimidade pelo Comité Nacional da OMA, em Dezembro do ano passado.
O evento, que acontece até sábado,  decorre sob o lema “Mulher angolana – participação, inclusão e desenvolvimento” e vai contar com a participação de 1500 delegadas de todas as províncias e das comunidades no estrangeiro. 

Além da secretária-geral, o VII Congresso da  OMA vai eleger os membros do Comité Nacional, discutir e aprovar o relatório, bem como o Programa de Acção para o mandato 2021/2026.
No quadro do processo orgânico, mais de 40 mil secções de base da OMA realizaram assembleias de renovação de mandatos.

Transição geracional

A candidata a secretária-geral, Joana Tomás, afirmou, recentemente, que vai primar pelo reforço e dinamismo de projectos sociais e na transição geracional, com responsabilidades partilhadas.
Falando depois de ser apresentada às militantes das províncias da Huíla, Benguela, Namibe e Cunene, na cidade do Lubango, referiu que a renovação significa colocar sangue novo, mas mantendo “o mesmo motor “. “A intenção é manter a máquina a trabalhar numa cadência necessária para os desafios eleitorais que se apresentam”, reforçou.

Apesar de se viver um período histórico, marcado pela passagem do testemunho, Joana Tomás afirmou que a OMA não enfrenta uma ruptura geracional.
Na apresentação do Programa de Acção, Joana Tomás informou que pretende trabalhar com a jovem mulher e despertar o interesse juvenil pela política. Disse que vai prestar uma atenção especial às “zungueiras”, trabalhadoras domésticas e à mulher rural, assim como reforçar o trabalho de aconselhamento jurídico e psicológico, bem como o combate à violência doméstica.

A OMA, adiantou,  vai continuar a mobilizar novos membros e a fazer a sua parte, no que concerne ao combate à corrupção e outros males que assolam a sociedade.
Jornalista de profissão e quadro sénior da TPA (Televisão Pública de Angola), Joana Tomás, de 51 anos, é membro do Bureau Político do MPLA e do Comité Nacional da OMA.

Leave a comment

Your email address will not be published.