Wednesday, May 18, 2022

Angola entre os países que mais ganham devido à aposta na capacidade digital

Angola consta do mais recente relatório sobre os 50 principais mercados emergentes do mundo, listados pelo “2022 Índice da Agility”, a que o Jornal de Angola teve acesso, terça-feira (08).

O Índice, agora no 13º ano, classifica os países em termos de competitividade global com base nos pontos fortes logísticos, condições empresariais e, pela primeira vez, na capacidade digital – todos os factores que os tornam atractivos para fornecedores de logística, serviços de carga, transportadores aéreos e marítimos, distribuidores e investidores. O índice inclui um inquérito a 756 profissionais da indústria da cadeia de suprimentos.

As principais economias africanas que lutaram para melhorar as infra-estruturas, condições empresariais e competitividade global têm, geralmente, um melhor desempenho em relação a outros mercados emergentes em áreas que medem as competências digitais e a sustentabilidade.

Essa é uma das descobertas de “2022 Índice da Agility dos Mercados Emergentes Logísticos”, o ranking de 50 principais mercados emergentes do mundo. O Quénia ocupa o 28º lugar no índice geral, mas é o 17º no que toca à capacidade digital. A África do Sul, nº 24 no total, é a 21ª na capacidade digital. O mesmo acontece com o Ghana que ocupa a 32ª posição global e a 23ª na capacidade digital.

A capacidade digital avalia as competências digitais, formação, acesso à Internet, crescimento do comércio electrónico, condições de investimento, e capacidade de alimentar as start-ups, bem como factores de sustentabilidade tais como uma panóplia de energias renováveis, menor intensidade de emissões e iniciativas verdes. “A ligação entre as capacidades digitais de um país e as perspectivas de crescimento é inegável,” Agility afirmou CEO Tarek Sultan.

“A competitividade dos países dos mercados emergentes será determinada pela sua capacidade de desenvolver negócios e reservas de talentos digitalmente qualificados, assim como encontrar a determinação de reduzir as suas emissões de formas a estimular o crescimento em vez de o sacrificar”.

A importância da capacidade digital foi evidente no inquérito. Os executivos de logística identificaram a adopção da tecnologia como o principal motor do crescimento económico e empresarial para os mercados emergentes. As principais áreas de foco para as suas empresas: tecnologia e sustentabilidade.

Para além do desempenho relativamente bom na capacidade digital, Ghana melhorou a sua classificação anual na infra-estrutura logística internacional (para 37º de 45º); infra-estrutura logística doméstica (para 36º de 38º); e fundamentos empresariais (para 28º de 32º).

A maioria dos executivos da indústria logística vê um crescimento económico moderado a forte e poucas ou nenhumas hipóteses de recessão em 2022, mesmo sem o alívio imediato das cadeias de abastecimento apertado e das elevadas taxas de transporte marítimo e aéreo desencadeadas pela pandemia da Covid-19.

Cerca de dois terços dos 756 profissionais da indústria inquiridos para o Índice acreditam que as transportadoras verão as taxas de carga descer até ao final do ano. Oitenta por cento vêem congestionamentos portuários, falta de capacidade aérea e problemas de transporte de camiões a facilitar até ao final do ano.

“O optimismo da indústria reflecte o facto de que as economias emergentes estão a tornar-se mais resistentes e a descobrir formas de resistir à rutura da cadeia de suprimento”, refere Sultan. “Se os mercados emergentes conseguirem um melhor acesso às vacinas e derem um impulso às pequenas empresas, podem ajudar a impulsionar uma recuperação global de forma ampla e dinâmica.”

  Índice deste ano traz destaques
A classifição do índice apresentada em relação à África Subsaariana é liderada pela África do Sul, que no controlo global ocupa a posição 24. Depois aparece o Quénia (28), Ghana (32), Nigéria (34), Tanzânia (42), Uganda (43), Etiópia (45), Moçambique (46) e Angola (47).

A China e a Índia, os dois maiores países do mundo, mantiveram os lugares 1º e 2º da classificação geral. Emirados Árabes Unidos, Malásia, Indonésia, Arábia Saudita, Qatar, Tailândia, México e Turquia completaram o top 10. Vietname, nº 8 em 2021 caiu para o 11º lugar, trocando de lugar com a Tailândia.

Os exportadores da Powerhouse China, Índia e México encabeçaram as classificações para a logística internacional. A China, a Índia e a Indonésia obtiveram os melhores resultados na logística interna.

Classificação geral do índice para a América Latina: México (9), Chile (12), Brasil (16), Uruguai (23), Colômbia (25), Peru (26), Argentina, (31), Equador (38), Paraguai (41), Bolívia (44), Venezuela (48).

No Médio Oriente e no Norte de África, as classificações foram: Emirados Árabes Unidos (3), Arábia Saudita (6), Qatar (7), Turquia (10), Omã (14), Bahrain (15), Kuwait (17), Jordânia (19), Marrocos (20), Egipto (21), Irão (30), Líbano (35), Tunísia (36), Argélia (37), Líbia (50).

As classificações na Ásia mostram a China (1), Índia (2), Malásia (4), Indonésia (5), Tailândia (8), Vietname (11), Filipinas (18), Cazaquistão (22), Paquistão (27), Sri Lanka (33), Bangladesh (39), Camboja (40), Mianmar (49), numa iniciativa da Transport Intelligence (TI), a empresa líder na análise e investigação para a indústria logística, compilou o Índice.

John Manners-Bell, Chefe do Executivo da TI, disse que a rapidez com que os mercados emergentes recuperam da crise dos últimos dois anos depende fortemente da rapidez do lançamento da vacina, sobretudo do ponto de vista da coesão social, económica e política.

Segundo o gestor, ao mesmo tempo, as ligações entre estas economias e os mercados ocidentais precisam de ser restabelecidas para que os expedidores possam ser integrados de novo no sistema comercial global.

A Covid-19 tornou o transporte marítimo ainda mais caro, complicado e lento, especialmente para as pequenas e médias empresas. A digitalização desempenhará um papel importante ao facilitar movimentos transfronteiriços sem atritos, mas a longo prazo os benefícios da globalização só serão partilhados com os mercados emergentes se as cadeias de abastecimento e a logística puderem tornar-se mais resistentes face a futuras crises.”

Os promotores desta iniciativa acreditam que estes indicadores são também um ponto focal para medir-se a tendência do mercado e o impacto das reformas ou transformações que estejam a ocorrer internamente em relação ao sentimento dos investidores.

O reconhecimento internacional da evolução de Angola, de acordo com comentários ao ranking, significa que as transformações que têm sido implementadas sob liderança do Ministério das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social são uma reposta local a desafios globais e que são tidos em conta pelos principais operadores globais.

Leave a Reply

Your email address will not be published.