Presidente da República inaugura sistema de transferência de água

O Presidente da República, que se faz acompanhar da Primeira-Dama e de membros do seu gabinete, cumpre, hoje, uma jornada importante na agenda da sua visita de trabalho ao Cunene, com a inauguração do sistema de transferência de água de Cafu, marcando o início de uma nova era na vida das populações de Om-bala-yo-Mungo, Namacunde e Ndombondola, horrorizadas, durante anos, pela seca severa que deixou um historial de dor, onde aldeões e o gado não foram poupados.

João Lourenço, que está desde ontem no Cunene, à chegada, foi recebido com grande manifestação de alegria. No aeroporto, o cenário foi marcado por um número incalculável de pessoas em-punhando cartazes com mensagens de carinho. Num dos dizeres, carregado por habitantes de Oncócua, uma das zonas mais fustigadas pelos efeitos da seca, podia se ler: “Cunene deseja boas vindas à sua excelência Presidente da República, João Manuel Gonçalves Lourenço”. A manifestação de carinho descreve, de forma linear, a gratidão de um povo que sabe bem o que é o sofrimento.

A ansiedade da população que se encontrava no interior do aeroporto para receber o Presidente e a Primeira-Dama começou a subir de tom à medida que se aproximava a hora de chegada. Finalmente, às 16h20, a aeronave que transportava o Chefe de Estado fazia-se à pista do Aeroporto 11 de Novembro, para o júbilo da população que se encontrava no local. Era possível ouvir, entre a multidão, de forma repetitiva, a palavra “obrigado”.

Depois de o Presidente da República descer da aeronave, acompanhado da Primeira-Dama da República, Ana Dias Lourenço, um facto curioso se dá no momento e surpreende a todos. En-quanto  João Lourenço se dirigia à população que o aguardava no aeroporto para o saudar, o céu começou a ficar nublado e, de seguida, começou a chover. A cidade de Ondjiva não recebia chuva há uma semana.

O rei de Oukwanhama, Jerónimo Haleinge, de sua experiência, disse que o facto representa bênção. “Significa que ele (o Presidente) é bem-vindo aqui na província do Cunene. É um sinal de que veio justamente para resolver os problemas das comunidades, sobretudo no que diz respeito à questão da água”, realçou. A partir das 6h00 da manhã, a cidade de Ondjiva começou a registar os primeiros movimentos de pessoas, na sua maioria jovens, vindos de várias partes da província.

O motivo que os movia era o mesmo: receber o Presidente, que se desloca à província pela terceira vez, sendo as duas últimas em menos de um ano. A movimentação foi ganhando força de minuto a minuto, até se registar o ponto mais alto, perto do cair da tarde, por se estar proximo, na altura, da hora da chegada do Chefe de Estado.

As principais ruas de Ondjiva foram incapazes de acolher a imensidão de gente que chegava, de tempo em tempo, proveniente dos quatro cantos da província. Na Avenida 11 de Novembro, que dá acesso ao aeroporto com o mesmo nome, foi formado, de uma ponta a outra, um corredor humano para receber o Presidente da República.

Depois deste momento, abençoado pela chuva, nas palavras do rei Jerónimo Ha-leinge, o Presidente seguiu para o Palácio do Governo, onde manteve um breve encontro com a governadora da província Gerdina Didalelwa. A seguir, rumou para as obras da centralidade Ekuma II, na cidade de Ondjiva, onde se inteirou do seu andamento.Esta centralidade, cujas obras se encontram muito avançadas, possui mil casas, sete equipamentos sociais e está a ser construída por fases. A primeira, constituída por 500 casas, possui um posto de saúde, um jardim-de-infância, uma escola primária com 24 salas, uma secundária com 12 salas e outras compartimentações, um campo para prática de futebol, um posto policial e um centro infantil. A nível das infra-estruturas externas, a centralidade vai dispor de um centro de distribuição de água, com capacidade para armazenar mil metros cúbicos, um sistema de tratamento de águas residuais. Todas as habitações têm 100 metros quadrados e a mesma arquitectura interior. A entrega das primeiras casas começa em Junho deste ano, segundo o empreiteiro.

Leave a comment

Your email address will not be published.